SKIP TO CONTENT

PEUGEOT INSTINCT CONCEPT

LIBERDADE AUMENTADA

PEUGEOT INSTINCT Concept: o veículo híbrido autónomo da PEUGEOT

 

 

PEUGEOT INSTINCT CONCEPT, liberdade aumentada

Quem é que nunca sonhou com um automóvel que proporcione uma total paz de espírito ao mesmo tempo que controla o seu ambiente? Uma viatura que nos entenda, que nos conheça ao ponto de antecipar as nossas mais básicas necessidades? Um modelo que seja uma extensão de nós próprios? Um automóvel que elimine quaisquer ruturas, que torne tudo mais fluido e límpido?

A PEUGEOT assume esta temática sob uma única palavra: liberdade. Liberdade para escolher o modo de condução e as suas sensações. Liberdade de movimentos. O resultado é PEUGEOT INSTINCT CONCEPT.

Internet das coisas

Numa estreia absoluta, a PEUGEOT introduz uma plataforma I.o.T. Internet das coisas funcional a bordo: a SAMSUNG ARTIKTM Cloud, ligando o automóvel à nuvem do utilizador.

 

 
Responsive i-Cockpit
O PEUGEOT Responsive i-Cockpit® redefine o habitáculo para responder às necessidades geradas pela condução autónoma. As interfaces são configuradas – antes, durante e após a utilização – em função do modo de viagem selecionado e do perfil do próprio utilizador. 
A Shooting Brake da Peugeot
O PEUGEOT INSTINCT CONCEPT apresenta-se como uma shooting brake de estilo intemporal. Os elementos aerodinâmicos ativos garantem uma silhueta absolutamente atraente. 

APRENDIZAGEM PROFUNDA 

 

Para conceber o PEUGEOT INSTINCT CONCEPT inspirámo-nos na natureza e no Homem em particular. Este ganha autonomia pela aprendizagem do seu ambiente. Da mesma forma, o PEUGEOT INSTINCT CONCEPT baseia-se no processo deep learning, método de aprendizagem para estabelecer o perfil do utilizador. Para tal, a plataforma I.o.Ti Samsung ARTIKTM Cloud conecta os objetos do seu quotidiano e os dados agregados, do relógio conectado, aos smartphones ou às redes sociais. Já a casa contribui através de domótica – TV conectada, streaming audio, Home Assistant – do computador, etc. A viatura é, também, uma fonte inestimável de informações, acompanhando-nos nossas vidas diárias, nos trajetos habituais, lugares preferidos, hábitos de condução, etc.

A PEUGEOT e a Sentiance, empresa de Data Science, processam os dados para os tornar significativos na determinação do perfil individual. Esta análise é dinâmica e em constantemente enriquecimento, permitindo ao PEUGEOT INSTINCT CONCEPT assumir uma pré-configuração ou adaptar a sua arquitetura, para responder em pleno às necessidades e desejos do seu utilizador.

 

EXEMPLOS 

Segunda-feira, 7h45

Você sai quinze minutos mais cedo do que o habitual para o seu compromisso das 8h30. Tendo em consideração o trânsito e a meteorologia, o sistema de navegação da viatura e o seu calendário sincronizaram-se  e sugeriram-lhe que saísse de casa quinze minutos mais cedo para chegar a horas. Quando entra na viatura, o sistema de Hi-Fi FOCAL começa a tocar a música que estava a ouvir em casa. Ao ligar o motor, as portas de casa são automaticamente trancadas.

Terça-feira, 21h

Sai do ginásio com um grande cansaço. O PEUGEOT INSTINCT CONCEPT dispõe dessa informação graças ao seu smartwatch, pelo que ativa o modo Autonomous Soft. Pode repousar um pouco no trajeto até casa. A aproximar-se de casa, as luzes exteriores acendem-se para iluminar o lugar no estacionamento.

Quinta-feira, 8h

Ontem, a sua atividade física não foi suficiente! O automóvel sugere-lhe que estacione a dez minutos de distância do escritório para ajudar a manter a sua forma física.

Sexta-feira, 14h

O percurso para o seu compromisso inclui um trajeto em autoestrada e uma estrada secundária sinuosa. O trajeto em autoestrada é feito no modo Autonomous Sharp. Depois, sabendo que aprecia uma condução dinâmica, o automóvel passa para o modo Drive Boost ao entrar na estrada secundária.

4 MODOS 

Os quatro modos permitem uma gestão particularmente adequada: o Drive Boost centra-se numa condução dinâmica, enquanto o Drive Relax ativa os ADAS (Advanced Driving Assistance Systems) de auxílio ao condutor. Ativa, por exemplo, a comutação automática dos faróis ou o Cruise Control Ativo.

Como veículo autónomo, o modo Autonomous Soft privilegia o conforto. Neste sentido, as deslocações podem ser um pouco mais longas, propícias a assistir-se a um filme, à leitura ou ao descanso. Finalmente, o modo Autonomous Sharp otimiza o tempo da deslocação e adota um comportamento eficaz e preciso em estrada.

CINEMÁTICA INOVADORA 

O automóvel autónomo abre novas portas à criatividade, respondendo a novas utilizações.

Com o PEUGEOT INSTINCT CONCEPT e o Responsive i-Cockpit podemos capitalizar os pontos fortes que fizeram o sucesso dos mais recentes modelos da marca. Estamos a criar novas formas de prazer de condução, seja através das interfaces, da arquitetura ou do estilo. Não há qualquer motivo para um automóvel autónomo ser desinteressante à vista e em termos de experiência.

 

Matthias Hossann, responsável pelos concept cars da PEUGEOT

 

O ambiente do condutor revela uma cinemática aérea no processo de transição entre os modos Drive e Autonomous. O volante compacto e a lâmina que integra toggle switches escondem-se no interior do painel de bordo. Concomitantemente, o pedal do acelerador desvanece-se sob o tablier.

Independentemente do modo ativado, o condutor detém o controlo do veículo. Se isso é evidente no modo Drive, esta particularidade do veículo autónomo PEUGEOT desafia-o no modo Autonomous. Adjacente ao touchscreen de 9,7” colocado na consola central, o i-device permite controlar as ações. Um único gesto é suficiente para, por exemplo, ultrapassar o veículo ou alterar o tipo de condução Soft para Sharp.

Em modo Drive, o cluster holográfico fornece-lhe informações relativas à condução: velocidade do veículo, repartição entre as duas energias da cadeia de tração PHEV, a carga da bateria, etc. O retrovisor digital alerta a presença de um veículo no ângulo morto.

Em modo Autonomous, estes elementos acolhem novas informações, relevantes, porque só a noção de tempo é importante a partir de agora. É, assim, dada a informação a todos os passageiros sobre a hora, o tempo restante para se chegar ao destino, o progresso no percurso atual.

 Cada modo e cada perfil envolvem uma atmosfera embarcada diferente a bordo, para além das informações fornecidas, integrando o posicionamento dos bancos, a iluminação e o som.

A atmosfera a bordo altera-se com o modo de condução. Para além das informações apresentadas, também o posicionamento dos bancos, a iluminação e o som se adaptam.

ARQUITETURA E MATERIAIS

O Responsive i-Cockpit coloca cada passageiro num espaço privilegiado e individual, mesmo a bordo de um veículo compacto. Para preservar o espaço alocado a cada um, os bancos inspirados na indústria aeroespacial isolam estruturas e as áreas de contacto com o corpo, do assento às costas e apoios para a cabeça. Os primeiros, ampliados numa conceção do alumínio, são agora fixos, enquanto os segundos mantêm-se móveis, articulados em torno de um eixo Y, transversal. O ocupante determina, a gosto, a configuração conducente às suas atividades: posição deitada para descanso, vertical para conduzir ou intermédia para assistir a um filme ou trabalhar.

Os passageiros podem, todos eles, comunicar com a viatura através de um chatbot, um assistente pessoal vocal que garante acesso a uma gama infinita de serviços. Expressos de forma natural, os comandos permitem, por exemplo, reservar uma sessão de cinema ou fazer uma compra online.

Os materiais convidam a uma recuperação do tempo entretanto livre. Ao nível do piso, uma fina camada de betão incita, pelo seu toque suave, a descalçar-se para relaxar. Uma malha 3D mantém e relaxa o corpo, revestindo os painéis laterais da consola central e da contra-porta, o assento e as costas do banco. Para o conforto da nuca, os apoios para a cabeça são concebidos em couro e numa malha 3D flexível.

DESIGN

As proporções do PEUGEOT INSTINCT CONCEPT assentam na grande tradição dos mestres carroçadores. As linhas cinzeladas são arqueadas, envolvendo o mais possível a técnica e os ocupantes. O longo capot sugere os 300 cavalos desenvolvidos pela corrente da tração PHEV, enquanto as cavas de rodas, de arco generoso, expressam a ligação à estrada e a potência deste quatro rodas motrizes.

A imagem da frente apresenta um olhar intensamente expressivo. Tal como a pupila de um olho, a lente de uma câmera encontra-se colocada no centro de cada farol de LED. Esta perspetiva visualiza o ambiente do veículo para fornecer informações aos sistemas de assistência à condução. A grelha apresenta uma permeabilidade diferente de acordo com o local, estrutura semi-oca que integra um Leão cuja base em branco vivo se coloca em destaque no modo Autonomous.

 

AERODINÂMICA

Quando em movimento, um automóvel desloca um volume de ar que resiste ao seu avanço. Ao longo dos tempos, os engenheiros têm procurado desenvolver a aerodinâmica para reduzir os consumos e melhorar o conforto dos passageiros. No futuro, este último ponto assumirá ainda mais importância. Com a condução autónoma, os ocupantes de um automóvel irão envolver-se em novas atividades a bordo, descobrindo novos prazeres.

 

Ainda no que se refere aos projetores, a assinatura luminosa estende-se a toda a altura da máscara frontal. Além disso, desdobra-se a uma velocidade de 90 km/h com uma dupla finalidade. Os dois feixes de luz estão ligados na parte inferior por uma lâmina, dando apoio adicional ao trem da frente. Por outro lado, esse movimento revela uma abertura para reduzir a pressão sobre a carroçaria durante a deslocação da viatura. O ar é então elevado à frente e expulso para fora na superfície das rodas. Essa carenagem virtual das rodas tem por objetivo anular as interferências aerodinâmicas com as ligações ao solo, em combinação com o trabalho das jantes de cinco raios. Feitas em alumínio, elas são atravessadas por sulcos finos que contribuem para a sua leveza. Esta função aerodinâmica também está presente na traseira, sendo que aqui o fluxo de ar é elevado através de uma abertura prática ao nível da cintura da carroçaria no portão da frente, sendo, de seguida, direcionada para o difusor, que integra as luzes 3D unidas por uma faixa luminosa.

Na zona superior, o tejadilho em vidro mergulha na direção dos passageiros graças ao seu perfil curvo, num desenho realçado pela tonalidade em azul profundo, com uma tripla camada de verniz, que reveste toda a carroçaria.